domingo, 6 de agosto de 2017

A “DEMOCRACIA” NA ARÁBIA SAUDITA - AMIGOS DOS EUA, DA UE E DOS SEUS ESBIRROS



















GOVERNO PORTUGUÊS E MÍDIA SÓ “TÊM OLHOS” PARA A VENEZUELA?


Mário Motta, Lisboa

Os democratas da treta manifestam-se e declaram críticas e sanções políticas e económicas contra a Venezuela, à cabeça são os EUA a fazer o mal e a caramunha. Ou seja, são os EUA a desestabilizar a Venezuela e a tomar medidas pseudo-democratas pelos “horrores da ditadura de Maduro”, a UE cola-se aos EUA e os esbirros dos governos dos países da UE aplaudem e aderem a essa colagem. No caso de Portugal temos o democrata de pacotilha Augusto Santos Silva, António Costa, e o restante governo de Portugal a alegarem que é aviltante e anti-democrático “o regime de Maduro” e os venezuelanos aprovarem a Constituinte. Que é ilegal, dizem. Só não declaram frontalmente é que é legal os EUA insistirem há mais de uma década em desestabilizarem a Venezuela. Tais operações ianques já vêm do tempo de Hugo Chávez, que indubitavelmente foi sempre eleito democraticamente pelos venezuelanos, tal como esta recente Constituinte. Pese embora que aqueles que se dispuseram a fazer parte da oposição vendida aos EUA e seus interesses discordem da Constituinte. São oposição em sintonia com as ordens do Tio Sam.

Espantosamente – olhem que não - os pseudo-democratas do chamado “mundo-livre”, EUA, UE, países e políticos esbirros, já nada têm a dizer em defesa da democracia e dos direitos humanos relativamente aos criminosos do reino da Arábia Saudita. Relevo para o dito rei. Esse, um aliado dos EUA e dos países da UE, não é alvo de sanções nem de críticas e governa ditatorialmente o país. Condena à morte quem se atreva a criticar e a manifestar-se contra o governo. É assim que foram mandados executar 14 desses manifestantes. Muitos outros já tiveram o mesmo destino, a morte por assassínio. Mas o quê?! Para os EUA, para a “democrática” UE e respetivos esbirros (governo português incluído), para o ilusoriamente chamado “mundo livre e democrático”, nem o rei nem as políticas ditatoriais impostas no país merecem críticas, muito menos sanções.

Sobre a notícia que nos mostra o que acontece na Arábia Saudita e a matança de contestatários ao regime não temos memória que exista por via da mídia em Portugal. Recorremos à mídia de Espanha. Notícia que nos fizeram chegar mostra a sanha ditatorial e assassina do reino amigo da “democracia ocidental”. E agora comparemos o que diz sobre a Venezuela Augusto Santos Silva, e o que decide o governo de Portugal, com o que nem por sombras aborda relativamente ao denominado aliado do ocidente, a Arábia Saudita.

Esclarecendo os que se interessam dispomos a seguir notícia do jornal espanhol Publico. É que por Portugal, em português, não temos memória de ver tal notícia. Porque será? Mas sobre a Venezuela é um fartum de notícias… Porque será? Umas merecem trato de brutal destaque e outras nem por isso… Silêncio. Pois.



Arabia Saudí se prepara para ejecutar a 14 personas por manifestarse contra el Gobierno

Al menos 66 personas han sido ejecutadas en Arabia Saudí en lo que va de 2017, según denuncia Amnistía Internacional.

La Corte Suprema de Arabia Saudí ratificó hoy la ejecución de catorce personas, entre ellas, un efectivo de las fuerzas de seguridad saudíes, acusados de "más de cincuenta ataques armados" en las manifestaciones contra el Gobierno.

Entre los sentenciados, que había sido condenados en primera instancia en junio del año pasado, hay personas incluidas en una lista de 24 disidentes perseguidos por las autoridades de Arabia Saudí,  emitida en 2012 en 2012.

Los condenados fueron sometidos a torturas por parte de las autoridades saudíes para conseguir, de esta forma, una confesión forzada, tal y cómo denuncia la ONG Amnistía Internacional.

La ONG ha condenado la sentencia judicial y ha acusado al Gobierno saudí de "demostrar su despiadado compromiso con el uso de la pena de muerte como arma para aplastar la disidencia y neutralizar a los opositores políticos".

Según Amnistía Internacional, al menos 66 personas han sido ejecutadas en Arabia Saudí en lo que va de 2017. Cerca de 26 sólo en las últimas tres semanas, lo que supone más de una ejecución al día.

Foto: El rey de Arabia Saudí, Salman bin Abdelaziz. - AFP


paginaglobal.blogspot.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário