NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

CRIMES DA HISTÓRIA - Veja a TERRÍVEL e inacreditável história deste padre



Hans Johannes Schmidt nasceu em 1881, na pequena cidade de Aschaffenburg, na Alemanha. Desde cedo, sua família viu com bons olhos a intenção do garoto em ser padre: uma de suas brincadeiras preferidas era se vestir como tal e celebrar missas no quintal de casa.
Sua mãe o incentivava e chegou até a fazer uma gola branca, igual à usada pelos ministros da fé. Dessa forma, o destino de Hans já estava traçado, levando-o ao seminário na adolescência.
Porém, essa não era a única paixão do jovem. Ele passava muito tempo sentado em um matadouro da cidade assistindo ao abate de animais. Só muito tempo depois se descobriu que Hans sentia excitação com cenas de agressão.

Os problemas com o sacerdócio
Aos 25 anos, ele foi ordenado padre e colocado em uma igreja da região. Mas sua primeira experiência não foi bem-sucedida: ele não se deu bem com os seus superiores e foi enviado para outra igreja, o que se repetiu ao menos quatro vezes.
Na quarta igreja pela qual passou, Hans ainda foi acusado de falsificação e chegou a ser levado ao tribunal. Entretanto, o juiz aceitou as alegações do jovem padre, que afirmou sofrer com distúrbios psicológicos. Como punição, ele foi suspenso do sacerdócio.
Com a ajuda dos pais e o dinheiro que havia extorquido de fiéis fervorosos, ele decidiu se afastar e se mudou para o Kentucky, nos Estados Unidos. Usando cartas de recomendação falsificadas, ele logo conseguiu uma colocação em uma paróquia da região.

O romance proibido

Não demorou muito para que Hans entrasse em conflito e fosse transferido para outra igreja, dessa vez localizada em Manhattan, Nova York.
Foi nessas circunstâncias que ele conheceu uma funcionária do local, a jovem Anna Aumuller, de 21 anos. Ela era austríaca e havia se mudado para o país em busca de trabalho. Mesmo sendo proibido, os dois se envolveram amorosamente.
Sem se preocupar com responsáveis pela igreja, o casal manteve o relacionamento por anos e, em determinado momento, foram descobertos. Anna foi despedida e Hans, novamente, foi transferido.
Mesmo afastados da paróquia, eles queriam provar que para o amor não há barreiras. Assim, decidiram se casar e o próprio Hans foi o responsável pela cerimônia improvisada.

O assassinato a sangue frio

Em 1913, Anna estava radiante e foi logo contar a novidade a Hans: estava grávida. Entretanto, o futuro pai não ficou feliz com a notícia, já que esconder um casamento era fácil, mas um filho, não.
Sem pensar duas vezes, no dia 2 de setembro, Hans chegou no apartamento em que Anna morava e a decapitou usando uma enorme faca de cozinha. O padre ainda serrou seu corpo, embrulhou as partes em fronhas e as atirou no rio Hudson.
“Hans chegou no apartamento em que Anna morava e a decapitou usando uma enorme faca de cozinha. O padre ainda serrou seu corpo, embrulhou as partes em fronhas e as atirou no rio Hudson”

Apenas três dias depois do bárbaro crime, dois jovens que passavam ao longo da margem do rio viram uma fronha boiando na água e, por curiosidade, resolveram verificar. Assim que sedepararam com partes de um corpo, chamaram a polícia. Os oficiais logo identificaram que o cadáver pertencia a uma mulher na faixa dos 30 anos e que estaria grávida.
Ao investigarem as fronhas encontradas no crime, conseguiram chegar à fábrica que as produziu e, por seus bordados únicos, a quem havia feito a compra: Anna Aumuller.
No apartamento da vítima, foram encontradas muitas manchas de sangue pelo chão e paredes. Foi o senhorio de Anna que contou aos agentes que a jovem vivia ali e que havia se casado pouco tempo antes.
Eles ainda descobriram que o último trabalho de Anna tinha sido na igreja em St. Boniface. Lá, os responsáveis da paróquia disseram aos detetives que ela havia sido demitida por se envolver com um padre, que naquele momento estava em Manhattan.

Cerco fechado

Procurado pelos policiais, Hans acabou se entregando: não só confessou o crime, como contou detalhes sobre as suas falsificações, que envolviam inclusive um diploma de Medicina, profissão que exercia sem permissão.
Levado novamente a tribunal, Hans tentou repetir a tática e alegou ter distúrbios psicológicos. O júri se dividiu: metade queria uma punição pesada, enquanto a outra parte não aceitava a ideia de prender um padre, acreditando que ele realmente sofria de alguma doença mental. 
O juiz, ciente de todos os crimes cometidos por Hans, o condenou à morte. No dia 18 de fevereiro de 1916, Hans se sentou na cadeira elétrica na prisão de Sing Sing.

Novas descobertas

Os policiais ainda viriam a descobrir um apartamento secreto do padre, onde ele guardava uma máquina de falsificar dinheiro e uma série de manuscritos que envolviam planos de assassinatos em série.
Em uma igreja de Louisville, onde Hans tinha ficado por um curto período, o corpo de uma menina de 9 anos foi achado desmembrado. Outro caso, que na época estava sem solução, foi ligado ao padre: uma garota havia sido encontrada morta perto da casa de Hans.
A cada descoberta os oficiais se espantavam mais: quantas pessoas foram mortas nas mãos do padre? Essa questão nunca foi respondida.


Fonte:Megacurioso

Sem comentários:

Enviar um comentário